EDIÇÃO

 

TÍTULO DE ARTIGO


 

AUTOR


ÍNDICE TEMÁTICO 
55
Tempo, Narração e Política
ano XXVIII - Dezembro de 2015
151 páginas
capa: Marcelo Cipis
  



capa: Marcelo Cipis

voltar ao acervo








EDITORIAL  
TEXTOS  
Nota Participação no evento “2o tempo da Jornada da Clínica Psicológica do Instituto Sedes Sapientiae – tempo do Debate”, realizado no Instituto Sedes Sapientiae em outubro de 2008.
Este texto, escrito em 2008, procede a uma análise dos acontecimentos que geraram as políticas de clínica e formação vigentes na Clínica do Instituto Sedes Sapientiae. Na ocasião, catorze anos haviam transcorrido desde a implementação do “Novo Projeto da Clínica”, e doze da aprovação institucional do Projeto Clínico-Ético-Político. O trabalho aborda alguns vetores do processo de construção da Clínica: institucional, grupal, movimentos sociais, equipe estável, e formação. Ao publicá-lo, Percurso rende homenagem a um dos membros muito queridos e ativos do nosso Departamento, que nos deixou pouco antes de este número ser impresso.

ABSTRACT
This text, written in 2008, makes an analysis of the events that led to clinical policies and effective training at the Sedes Sapientiae Institute Clinic. Fourteen years have elapsed since the implementation of the “New Clinic Project”, and twelve of the institutional approval of the Clinical-Ethical-Political Project. The paper discusses some vectors in the process of building the Clinic: institutional, group, social movements, stable team, and training. With its publication, Percurso pays homage to one of the most beloved and active members of our Department, who left us just before this issue went to press.
 
A partir de uma análise sobre a noção de tempo histórico na construção metapsicológica freudiana, este artigo investiga o sentido clínico do conceito de história e de tempo histórico, refletido na contemporaneidade, sob a problemática da dissolução das narrativas e da fragmentação do tempo no cotidiano, e seus efeitos sobre os sujeitos.
ABSTRACT
From an analisys of historical time in Freud’s metapsychological structure, this paper investigates the clinical sense of the notions of history and historical times as reflected in our era. The author sustains that this era produces the dissolution of narratives and the fragmentation of time, both of which have important effects on us.
 
O texto parte da diferenciação entre o representável e o irrepresentável, conceitos presentes em Revelações do inacabado (1994), e da diferença entre tempo em movimento e o assassinato do tempo, do livro O tempo fragmentado (2001), ambos de André Green. A partir disto, o trabalho se dirige à conceitualização da relação com o objeto e a construção da estrutura enquadrante na obra de Green, mostrando como, para o autor, será da instauração ou fracasso desta estrutura enquadrante que se desprendem dois territórios diferentes na clínica que demandam do analista formas distintas de trabalho.

ABSTRACT
This article starts with the distinction between the representable and the unrepresentable, concepts that are present in Unfinished Revelations (1994), and the difference between time in movement and time assassination, from the book The fragmented time (2001), both from André Green. From this, the work goes to conceptualize the object relation and the construction of the framing structure on Green´s work, showing how, to the author, it will be from the establishment or the failure of this framing structure that two different territories are detached on the clinic, demanding from the analyst different ways of work.
 
Este artigo discute um caso clínico em que há controvérsia em torno do diagnóstico de neurose ou psicose. Com base na transferência estabelecida, contudo, o autor decide apostar em um quadro de loucura histérica. Esta escolha servirá como orientador para a condução e compreensão do caso como um todo. A partir dessa experiência, o autor pretende contribuir para a teoria da loucura histérica e sugerir princípios para o seu manejo.
ABSTRACT
This article discusses a case in which a controversy surrounds the diagnosis of neurosis or psychosis. Based on the established transference, however, the author decides to invest in a hypothesis of hysterical madness. This choice will serve as a guide for conducting and understanding the case as a whole. From this experience the author intends to contribute to the theory of hysterical madness and suggest principles for its management.
 
O artigo traz o sonho como um ato psíquico, que busca a satisfação de um desejo através do trabalho conjunto do processo primário e secundário, tendo como principal momento a elaboração onírica. A partir do trabalho de Freud, destacam-se momentos de resistência na produção do sonho, desde a produção do desejo onírico até a fala do analisante na sessão.
ABSTRACT
The article considers the dream as a psychic act, which searches the satisfaction of a desire through a joint work of the primary and secondary processes, which together constitute the dream-
-work. Following Freud’s indications, the authors pinpoint the moments of resistance in the production of a dream, from the conception of a dream-wish to the speech of a patient in session.
 
A experiência de análise opera como momento de suspensão da ação do sujeito em sua realidade cotidiana, alienando-o de sua condição política ou, inversamente, favorece a restituição de suas potencialidades como agente transformador de sua realidade, ao convocá-lo a posicionar-se frente a seu desejo? Este trabalho visa discutir a tensa relação entre psicanálise e política a partir de um caso clínico.
ABSTRACT
Does the experience of analysis work as a moment of interruption of the individual’s action on his daily reality, separating him from his political condition? Or, on the contrary, does it promote the recovery of his potentialities as an agent of transformation of his reality, by making him overcome his desire? The purpose of this study is to discuss the tense relationship between psychoanalysis and politics from the standpoint of a clinical case.
 
Comemorando os 150 anos da publicação de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, o autor retoma estabelecidas interpretações dos conteúdos inconscientes presentes na obra e reflete sobre sua permanência e atualidade.
ABSTRACT
Celebrating the 150th anniversary of Alice’s Adventures in Wonderland, the author reviews some established psychoanalytic interpretations of the unconscious contents of the book and thinks about its permanency and actuality.
 
Este artigo insere-se no âmbito da Psicologia da Arte e propõe uma leitura do filme Abril despedaçado, de Walter Salles, atentando sobretudo para a questão dos destinos do sertanejo e das relações com a lei. Observou-se que, em Abril despedaçado, a violência é alvo da crítica, e o filme parece se alinhar à crítica ideológica de Horkheimer e Adorno.
ABSTRACT
This article works with Psychologial of Art references and proposes a reading of Behind the Sun, by Walter Salles, attending especially to the issue on the backcountry destinations and their relation with the law. It was observed that in Behind the Sun the violence is critiqued and the film seems to side with ideological critique by Horkheimer and Adorno.
 
 


ENTREVISTA  
DEBATE  
DEBATE CLÍNICO  
LEITURAS  
Resenha de Christian Ingo Lenz Dunker, Mal-estar, sofrimento e sintoma – uma psicopatologia do Brasil entre muros, São Paulo, Boitempo, 2015, 416 p.
Coleção Estado de Sítio.
 
Resenha de Maria Stella Sampaio Leite, Orientação profissional, São Paulo,
Casa do Psicólogo, 2015, 248 p.
(Coleção Clínica Psicanalítica,
dir. Flávio Carvalho Ferraz)
 
Resenha de Fernanda Sofio, Psicanálise na UTI: morte, vida e possíveis da interpretação.
São Paulo, Escuta/Fapesp, 2014, 99 p.
 
Resenha de Fernanda Sofio, Literacura – Psicanálise como forma literária, São Paulo, FAP-UNIFESP, 2015, 311 p.
 
Resenha de Olga B. Ruiz Correa (org.),
Os avatares da transmissão psíquica geracional, São Paulo, Escuta, 2000, 100 p. Ilustrada pelo filme Ida de Pawel Pawlikowski, 2013 .
 
Resenha de Júlia Catani, Sofrimentos psíquicos: as lutas científicas da Psicanálise e da Psiquiatria pela nomeação, diagnóstico
 
 

     
Percurso é uma revista semestral de psicanálise, editada em São Paulo pelo Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae desde 1988.
 
Sociedade Civil Percurso
Tel: (11) 3081-4851
assinepercurso@uol.com.br
© Copyright 2011
Todos os direitos reservados