EDIÇÃO

 

TÍTULO DE ARTIGO


 

AUTOR


ÍNDICE TEMÁTICO 
62
História, criatividade e resistência
ano XXXI - Junho 2019
165 páginas
capa: Tunga. Lezart (detalhe)
  



capa: Tunga. Lezart (detalhe)

voltar ao acervo








PERCURSO DIGITAL  


EDITORIAL  
TEXTOS  
Tradução Luciana Menin Lafraia
A fim de pensar sobre as possibilidades de resistência criativa às mutações socioculturais contemporâneas, o artigo apresenta uma história das “clínicas institucionais” e sustenta que as relações entre a psicanálise e as instituições de cuidado se estabeleceram como resistência contra diferentes figuras do Mal, e em torno das problemáticas das psicoses, dos traumatismos de guerra e dos adolescentes em conflito com a lei.

ABSTRACT
In order to think about the possibilities of creative resistance to contemporary socio-cultural mutations, this paper presents a history of “institutional clinics” and maintains that the relations between psychoanalysis and institutions of care have been established as resistance against different figures os Evil, and around the problems of psychosis, war trauma and delinquency.
 
A partir da comemora��o dos 30 anos da Revista Percurso, a hist�ria do movimento psicanal�tico e do Departamento de Psican�lise � retomada tendo como foco a produ��o escrita. Em meio a uma hist�ria de luta, a exist�ncia da revista Percurso � vida e resist�ncia.
ABSTRACT
Starting from the celebration for the 30th anniversary of Revista Percurso, it is resumed the history of the psychoanalytic movement and of the Department of Psychoanalysis by focusing on the written production. Amidst a combative history, the existence of the magazine means life and resistance.
 
O artigo propõe algumas reflexões para pensar o mal-estar contemporâneo a partir dos aportes da psicanálise argentina. Na primeira parte, define histórica e conceitualmente a especificidade da psicanálise contemporânea. Depois comenta três características destacadas na abordagem – teórica e clínica – da incidência do processo histórico-social no campo analítico. Na segunda parte, esboça uma genealogia do movimento psicanalítico argentino – desde os pioneiros até a atualidade – priorizando a sua corrente instituinte, engajada, progressista, ligada a certa tradição da esquerda freudiana.
ABSTRACT
This paper proposes some reflexions on the contemporary malaise based on the ideas developed by the Argentinian psychoanalysis. In the first part it is proposed an historical and conceptual definition of contemporary psychoanalysis. It is followed by a general commentary on some – theoretical and clinical – elaborations on the incidence of the social processes within the analytic field. In the second part is proposed a genealogical approach of the Argentinian psychoanalytic movement, prioritizing its more innovative, engaged and progressive current.
 
Num dos seus últimos livros, o psicanalista americano Christopher Bollas sustenta que, através das práticas das redes sociais, a fobia do mundo interno e o pensamento operacionalista acabaram por se apresentar como uma (falsa) resposta universal e automática à necessidade de significação manifestada pelo ser humano. O que pode a psicanálise diante de tal hipótese? De que conceitos ela dispõe para pensar o empobrecimento psíquico e o ódio que parecem cristalizar a dor de pensar que caracteriza nossa época?
ABSTRACT
In a recent book, American psychoanalist Chistopher Bollas defends that through social media inner world phobia and operational thinking present themselves as an (unfaithful) universal and automatic answer to the need of signification manifested by human beings. What can psycoanalysis against such hypothesis? What concepts does it have to think psychic impoverishment and hate that seem to crystalize the pain of thinking characteristic of our times?
 
Esta comunicação pretende forjar uma chave, a partir de uma associação das pulsões parciais nomeadas por Freud com as investigações realizadas por Foucault e Agamben sobre dispositivos, para propor uma análise e um diálogo a respeito da polícia soberana no Brasil atualmente.
ABSTRACT
This paper intends to coin a key with an association of the partial instincts (Triebe) named by Freud with the inquiries performed by Foucault and Agamben concerning dispositives, in order to propose an analysis and a dialogue about the sovereign police in Brazil nowadays.
 
O presente trabalho parte da consideração de que, na contemporaneidade, houve uma quebra de paradigma no que tange à relação do humano com a tecnologia. Isso vem afetando especialmente crianças e adolescentes; com relação à primeira infância, identificam-se prejuízos no desenvolvimento, já pensados pela teoria psicanalítica. No entanto, os jogos eletrônicos de hoje, em especial os de “mundo aberto”, apresentam um grande espaço para a fantasia e a criação. De que modo estes jogos dialogam com o brincar da psicanálise?
ABSTRACT
This work considers the principle that in contemporary times there has been a break of paradigm due to relation between humans and technology. This has been affecting especially children and teenagers; in early childhood, there are development damages being identified, already thought by the psychoanalytical theory. However, the eletronic games from nowadays, especially those which are “open world”, shows a huge space for phantasy and creation. In what way this kind of games dialogues with playing from a psychoanalytical perspective?
 
O artigo discute a concepção de “inconsciente estruturado como uma linguagem”, de J. Lacan, dando sua fundamentação epistemológica e destacando o lugar vazio nessa concepção de estrutura. Fazendo uma analogia com o jogo do 15, explica a lógica do significante e distingue os registros simbólico, imaginário e real enfatizando a definição de real como impossível lógico.
ABSTRACT
This paper regards J. Lacan’s conception of the “unconscious structured like a language”, locating its epistemological basis and highlighting the empty site in his conception of structure. Using the 15 puzzle as an analogy, the significant logic, the distinction between the symbolic, the imaginary and the real registers are explained, emphasizing the definition of real as logical impossible.
 
A inquietante questão da formação do analista é tratada neste trabalho, considerando a trajetória de Christopher Bollas, que começa nos EUA, vai à Inglaterra e chega à França. Seus estudos em literatura são vistos como decisivos para os planos teórico e clínico, ajudando a colocar em diálogo Freud, Winnicott e Lacan. Os conflitos institucionais e a experiência estética transformadora são explorados, levando ao limite a singularidade do analista.
ABSTRACT
The disturbing matter about analyst training is the aim of this study, considering Christopher Bollas path, starting in the US, getting to England and after to France. His literature studies are considered decisively for theoretical and clinical plans helping to establish a dialogue among Freud, Winnicott, and Lacan. Institutional conflicts and the transformative aesthetic experience are explored, leading to the limit the analyst’s uniqueness.
 
Este trabalho se interessa pela presença essencial de silêncios vivos na situação psicanalítica, condição de certos movimentos de abertura do inconsciente. Ao considerar a heterogeneidade dos processos de simbolização em jogo, assume a atualidade do paradigma estético freudiano a fim de pensar uma política de ligação libidinal entre formas de arte e formas da imaginação que habitam a clínica psicanalítica contemporânea.
ABSTRACT
This paper is about the essencial presence of lively silences at the psychoanalytic situation which enable certain openings to the unconscious. It considers the diversity of symbolization processes at play by acknowledging the Freudian aesthetic paradigm up-to-dateness. And thinks a policy of connection of libidinal bonds between art forms and forms of the imagination that inhabit the contemporary psychoanalytic clinic.
 
 


ENTREVISTA  
Realização Ana Claudia Patitucci, Bela M. Sister, Célia Klouri, Cristina Parada Franch, Danielle Melanie Breyton, Deborah Joan Cardoso e Silvio Hotimsky.
Colaboração Lisette Weissmann.
 
DEBATE  
Realização Camila Junqueira, Cristiane Abud Curi, Gisela Haddad, Thiago Majolo e Vera Zimmermann.
 
DEBATE CLÍNICO  
Comentado porAnna Maria Amaral e Nelson da Silva Jr.

Em Debates Clínicos, a revista Percurso convida três psicanalistas preferencialmente de correntes teóricas e instituições diferentes, um deles como apresentador e dois como comentaristas. Além dos imprescindíveis cuidados referentes à proteção da confidencialidade, solicitamos que o material e os comentários se atenham o mais possível à clínica, de modo que dela se depreenda a teoria e não o contrário. Cada convidado só conhece os outros dois participantes no final do processo. Com isso, visamos diminuir os fatores paratransferenciais que poderiam inibir a livre e descompromissada manifestação de opinião. Nosso objetivo é superar as divisões em nosso campo, proporcionar movimentos integrativos e estimular a reflexão sobre convergências e divergências na prática clínica.
 
LEITURAS  
Resenha de Cristovão Tezza, Literatura à margem, Porto Alegre/São Paulo, Dublinense, 2018, 160 p.
 
Resenha de Ana Maria Sigal, Bárbara Conte e Samyra Assad (orgs.), Ofício do psicanalista II: por que não regulamentar a psicanálise, São Paulo, Escuta, 2019, 206 p.
 
Resenha de Claudinei Affonso, Paula Peron e Regina Celia Cavalcantti de Carvalho (orgs.), Sujeitos da Psicanálise – Freud, Ferenczi, Klein, Lacan, Winnicott e Bion – Diálogos teóricos e clínicos, São Paulo, Escuta, 2018, 118 p.
 
Resenha de Maria Sílvia de Mesquita Bolguese, O tempo e os medos – a parábola das estátuas pensantes, São Paulo, Blucher, 2017, 304 p.
 
 
 

     
Percurso é uma revista semestral de psicanálise, editada em São Paulo pelo Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae desde 1988.
 
Sociedade Civil Percurso
Tel: (11) 3081-4851
assinepercurso@uol.com.br
© Copyright 2011
Todos os direitos reservados