EDIÇÃO

 

TÍTULO DE ARTIGO


 

AUTOR


ÍNDICE TEMÁTICO 
  
 

voltar
voltar à lista de autores

Resumo
Wilhelm Reich defendeu a psicanálise como instrumento de compreensão e transformação dos conflitos políticos, e isso teve consequências na história institucional do movimento psicanalítico. Partindo de sua expulsão, analisam-se os efeitos da institucionalização da psicanálise, em especial sobre a relação entre psicanálise e política. Sua obra Psicologia de massas do fascismo e a metapsicologia da cisão do eu, da recusa e do fetiche permitem refletir sobre o papel político das classes médias na ascensão do fascismo, tanto na Europa de 1933 como na conjuntura atual brasileira.


Palavras-chave
Wilhelm Reich, psicologia de massas, cisão do eu, fascismo, conjuntura brasileira.


Autor(es)
Mário Pablo Fuks Fuks
é médico psiquiatra e psicanalista argentino formado na Universidade Nacional de Buenos Aires, radicado em São Paulo, Brasil, desde 1977. Membro do Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae. Professor do curso de psicanálise, coordenador do curso de psicopatologia psicanalítica e clínica contemporânea, membro da equipe editorial do Boletim Online, membro do Grupo de Psicanálise e Contemporaneidade do Departamento de Psicanálise e supervisor do Projeto de Pesquisa e Intervenção em Anorexia e Bulimia. Delegado do Departamento da Flappsip, no Congresso de Porto Alegre. Na Argentina, foi médico-chefe do Departamento de Adultos do Serviço de Psicopatologia do Policlínico de Lanús, professor adjunto da Cátedra de Psicologia Médica da Faculdade de Medicina da UNBA. Coordenador do plano piloto de formação do Centro de Docência e Investigação (cdi) da Coordenadora de Trabalhadores de Saúde Mental (ctsm) de Buenos Aires e professor adstrito ao Departamento de Investigação da Faculdade de Psicologia da UNBA.

 




Abstract
Wilhelm Reich defended psychoanalysis as an instrument to understand and to transform political conflicts, and this had consequences on the institutional history of the psychoanalytic movement. Beginning with Reich’s expulsion of the International Psychoanalytical Association, this text analyses the effect of institutionalization of psychoanalysis, bringing light specially to its relation with politics. Reich’s Psychology of the Masses of Fascism and the metapsychology of the splitting of the ego, disavowal and fetish allow the reader to think on the middle classes’ political role in the rise of fascism, both in Europe, in 1933, and in the current Brazilian conjuncture.


Keywords
Wilhelm Reich, mass psychology, splitting of the ego, fascism, Brazilian conjuncture.

voltar à lista de autores
 TEXTO

Wilhelm Reich e a relação entre psicanálise e política

Wilhelm Reich and the relation between Psychoanalysis and Politics
Mário Pablo Fuks Fuks


topovoltar ao topovoltar à lista de autorestopo
 
 

     
Percurso é uma revista semestral de psicanálise, editada em São Paulo pelo Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae desde 1988.
 
Sociedade Civil Percurso
Tel: (11) 3081-4851
assinepercurso@uol.com.br
© Copyright 2011
Todos os direitos reservados