EDIÇÃO

 

TÍTULO DE ARTIGO


 

AUTOR


ÍNDICE TEMÁTICO 
  
 

voltar
voltar à primeira página

Resumo
Resenha de "O gesto espontâneo (cartas selecionadas de Winnicott)" - Donald D. Winnicott. São Paulo, Martins Fontes, 1990. 178p.


Autor(es)
Sérgio Telles
é psicanalista e escritor, membro do Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae, autor de Fragmentos clínicos de psicanálise (Casa do Psicólogo / Editora da UFSC, 2003), O psicanalista vai ao cinema (Casa do Psicólogo / Editora da Universidade Federal de São Carlos, 2004) e Visita às casas de Freud e outras viagens (Casa do Psicólogo, 2006) entre outros.

voltar à primeira página
 LEITURA

Os duros gestos do poder institucional

Sérgio Telles


Pediatra com grande experiência, D. W. Winnicott (1896-1971), ao cons tatar a importância decisiva dos fatores emocionais e psíquicos nas crianças que atendia em sua clínica, voltouse para a psica nálise. Analisou-se com James Strachey e, posteriormente, com Joan Rivie re, produziu uma contribuição teórica original e ocupou por uma vez a presidência da Sociedade Britânica de Psicanálise.

Em sua segunda edição brasileira (a primeira é de 1990), O gesto espontâneo traz 126 cartas selecionadas por Robert Redman, psicanalista de Los Angeles, também autor da elucidativa nota introdutória em que são fornecidos elementos da vida e da obra de Winnicott.

Um livro de cartas selecionadas (Redman nos diz que há 825 car tas) imediatamente levanta o problema dos critérios de tal seleção, o que, para um analista, resulta sempre suspeito por saber que a omissão de dados importantes, ou seja – a repressão –, pode ser racionalizada e justifi cada das mais variadas maneiras. Fica, assim, a curiosidade sobre as não publicadas. Além do mais, o próprio Winnicott imaginava que tais cartas um dia seriam publicadas, dado serem cópias retidas e arquivadas por ele mesmo. Se isso evidencia a percepção (correta) de Winnicott sobre sua própria estatura e a importância de suas opiniões, por outro la do, tira-lhes o frescor e a espontaneidade, dado estar ele escrevendo não para o destinatário explícito, mas visando, em última instância, à posteridade, o que implica sempre uma certa pose.

Mesmo assim pode-se ver um Winnicott muito atuante e participante, opinando sobre os eventos científi cos da Sociedade Britâni ca de Psicanálise, criticando com honestidade os trabalhos que julgava merecedores de reparos, escrevendo com freqüência e veemência para jornais dando sua opinião sobre os mais variados assuntos.

As cartas abor dam temas como a política de socialização da medicina na Inglaterra, os efeitos psicológicos na criança decorrentes da aferição da temperatura pelo reto (habitual na Inglaterra), as implicações da fabricação de bonecas com o sexo bem defi nido, as causas da criminalidade e de como a sociedade reage a ela, a luta contra a psiquiatria organicista, o uso do serviço social em psiquiatria e psicanálise, o problema da análise leiga, as creches, o parto realizado na própria residência da parturiente, a maneira de encarar as enquetes jornalísticas, o autismo, o curandeirismo, a mastectomia. As cartas mais importantes giram em torno de sua luta para ter um lugar reconhecido como autor de idéias originais na Sociedade Britânica, colhido que foi pela luta que naquele momento ali acontecia.

Em 1926, Melanie Klein, vinda de Berlim, chega a Londres, onde se esta belece defi nitivamente. Desenvolve teorias sobre a análise de crianças e, em seguida, sobre o psiquismo em geral, teorias que entram em choque direto com as de Anna Freud – ou seja, com as do próprio Freud. Em 1933, Melita Schmideberg (fi lha de Melanie Klein), apoiada por Edward Glover (seu analista), desfere ataques virulentos contra Melanie Klein. Em 1938, Freud chega a Londres, fugindo dos nazistas, exacerbando as diferenças teóricas já existentes. O choque entre kleinianos e freudianos atinge intensidade máxima nos inícios dos anos 1940.

A única forma de ultrapassar o problema foi a formação, dentro da Sociedade Britânica de Psicanálise, de dois grupos – o grupo A (kleiniano) e o grupo B (freudiano), com diferentes programas de formação. Fora da polarização, confi gurou-se o chamado “Middle Group” (Grupo do Meio). Winnicott fazia parte desse grupo, apesar de ter-se analisado com Joan Riviere e ter feito supervisão durante 6 anos com Melanie Klein. De início, Winnicott tinha bom contato com Melanie Klein, que chegou a encami nhar-lhe o próprio fi lho para análise.

Winnicott aos poucos se afasta de determinadas posições do kleinismo radical, reprovando- lhe o proselitismo incessante dentro da Sociedade, a intolerância, o messianismo.

A importância dos fatores externos (ambiente, pai, mãe, família, etc.), a balança entre eles e os fatores internos (pulsões, “instintos” inatos) na estruturação do psiquismo continua sendo, a meu ver, um problema teórico fundamental em psicanálise. Winnicott defendia a impor tância desses fatores externos, do “ambiente” (como chamava), na estru turação básica do psiquismo infantil. Nisso se afastava em muito de Melanie KIein, que virtualmente ignorava a mãe real, enfatizando a importância das pulsões, do instinto de morte na formação do que chama “seio bom” e “seio mau”, imagos primitivas da mãe decorrentes não da intro jeção de aspectos ou condutas reais, “concretas”, da mãe e sim fruto de distorções decorrentes do jogo pulsional da criança. Tal tendência é levada a extremos quando postula o conceito de inveja primária, avatar direto da pulsão de morte, elemento inato decisivo na constituição do aparelho psíquico.

Como diz Redman:
Klein havia levado a ênfase de Freud [nos fa tores internos, pulsionais] a níveis irracionais, virtualmente excluindo a importância causativa da realidade externa na vida mental (p. XXXVI). […] O papel da realidade externa foi colocado em questão pela descoberta de Freud de que os relatos de ataques sexuais na infância geralmente eram resultado antes de fantasias edipianas que de eventos reais. Isso abriu o mundo da fantasia ao estudo cuidadoso e lançou Freud ao grande trabalho de demonstrar que os ímpetos pulsionais e a neurose infantil de uma pessoa colorem e dão forma ao curso da vida. Esse ponto de vista, que pode ria ser considerado como a espinha dorsal da teoria e da terapia psicanalítica, foi desafi ado repetidas vezes. Klein provavelmente representa sua apoteose. Ao virtualmente excluir a realidade externa de um papel formativo no desenvolvimento, sua teoria transmite a impressão de que a técnica por ela gerada irá benefi ciar o paciente por meio de insights que ‘me xam’ com ele. Winnicott, fi rmemente enraizado na tradição psicanalítica, mas também um observador prático de crianças e pais afl itos, podia intro duzir a realidade externa como infl uência sem sacrifi car o signifi cado da vida de fantasia da criança no processo. Seu senso de realidade, tal vez até mesmo seu senso de justiça, exigiam isso dele (p. XXIV).

Em muitas cartas Winnicott aborda esse tema, de fundamental importância teórico-clínica:

A ‘mãe boa’ e a ‘mãe má’ do jargão kleiniano são objetos internos e nada têm a ver com mulheres reais (p. 48). Meu problema, quando começo a falar com Melanie a respeito de sua formulação sobre a primeira infância, é que me sinto falando sobre cores com um daltônico. Ela simplesmente diz que não se esqueceu da mãe e da parte que a mãe desempenha, embora, na verdade, eu ache que ela não dá indí cio nenhum de ter compreendido a parte que a mãe desempenha bem no início (p. 119).

Não quer Winnicott que sua postura seja considerada como um abandono da importância do interno, da fantasia, do pulsional e diz:

Estremeço ante o peri go de que meu trabalho seja tomado como uma tentativa de fazer a balança da argumentação pender para o lado ambiental, embora eu realmente seja da opinião de que a psicanálise tem agora condições de dar importância plena aos fatores externos, tanto bons como maus, e, especifi camente, à parte desempenhada pela mãe no estágio bem inicial, quando o bebê ainda não separou o “eu” do “não eu (p.170-1).

Winnicott teve de lutar muito, inclusive contra a própria ex -analista, para manter seus pontos de vista e poder desenvolver suas teorias. Em suas cartas, vemos muito bem como a política institucional pode interferir diretamente no trabalho científi co desta mesma instituição.

Diz ele:
Cara Dra. Riviere: Após o ensaio da Sra. Klein, a senhora e ela falaram comigo e, num contexto de amizade, deram-me a entender que am bas estão absolutamente seguras de que não há nenhuma contribuição positiva que eu possa dar à interessante tentativa que Melanie está empreendendo o tempo todo para formular a psicologia dos estágios mais precoces. A senhora concordará que ambas sugeriram que o problema é que sou incapaz de reconhecer que Melanie diz exatamente as coisas que estou pedindo que diga. Em outras palavras, há um bloqueio em mim. Isso naturalmente me preocupa muito e espero sinceramente que possa me dispensar um pouco de seu tempo (p. 117-8) […] Quero que saiba que não aceito o que a senhora e Melanie insinuam, ou seja, que minha preocupação com a formulação de Melanie da psicologia da infância mais precoce fundamenta-se antes em fatores subjetivos que objetivos (p. 121).

Vê-se a que grau de atuações a política institucional pode levar, fazendo Joan Riviere, respeitada psicanalista, assumir uma atitu de antiética, sob todos os aspectos indefensável, que foi a de usar seu poder advindo da transferência e de seu conhecimento do inconsciente de um ex-paciente, para castrá-lo, impedindo-o de desenvolver uma teoria contrária à que ela própria defendia, tachando-a como sintomática, uma manifestação patológica, fruto de uma inibição ou bloqueio.

Por imposição política, Winnicott também foi impedido de ensinar por um longo período:
Durante um bom tempo, como você sabe, não fui convidado para ensinar psicanálise, porque nem a Srta. Freud nem a Sra. Klein queriam me usar ou permitir que seus alunos viessem até mim em busca de ensino regular, mesmo em análise infantil. Eu, portanto, senti falta, num momento crítico de minha vida, do estímulo que teria feito com que eu elaborasse uma série de aulas claramente voltadas pa ra o ensino da técnica. Mais tarde, quando me tornei aceitável e fui convidado a dar algumas aulas, eu já havia tido algumas idéias originais e estas naturalmente me vinham à mente quando eu planejava falar aos estudantes. Isso explica até certo ponto o modo como as coisas são. Não estou reclamando, apenas acho que essas questões de história às vezes são interessantes (p. 215).

Claro que Winnicott está-se queixando, apesar de sua negação (coisa que faz inúmeras vezes em suas cartas) e, a meu ver, as questões de história são sempre muito interessantes. A história do movimento psicanalítico e das sociedades de psicanálise é circundada por um campo minado de transferências, idealizações e identifi cações, que levam a uma quase intransponível resistência, onde imperam a repres são, o pacto de silêncio, a negação, a luta pelo poder, o jogo de interesses nem sempre muito cristalinos.

Assim, o livro de cartas de Winnicott, apesar de expurgado (das 825 apenas 126 vêm a lume), é muito salutar. É sempre saudável a desidealização, ver santidades como Hanna Segall sendo desancada em sua pretensão e arrogância (p. 32) ou Bion sendo ironizado pelo uso excessivo dos clichês kleinianos (p. 108-116), ou ainda a maneira com Winnicott fustiga a formação dos grupelhos e igrejinhas, no caso as klei nianas (p. 28, 87).

Ao responder a um torturado correspondente americano, que lhe fala da angústia insuportável da qual padece, Winnicott diz:

Pode ser que se o senhor estiver ‘inteiro’ lá, mais cedo ou mais tarde essa angústia que vai além do que pode tolerar se apodere do senhor, e o senhor não consiga mantê-la o sufi ciente para olhá-la e examinar seu conteúdo. Se conseguisse fazê-lo, perceberia que ela contém – na raiz – a fonte mais profunda de sua própria energia psíquica, de modo que, quando o senhor tem de encobri-la (ou quando ocorre que ela seja encoberta) o senhor, por assim dizer, perde sua raiz principal (p. 219).

Winnicott sintetiza aí, com rara felicidade, a função e o trabalho do analista. Decifra-me ou te devoro, diz a esfi nge-angústia para o ana lisando. O analista é aquele que ajuda o analisando a entender que não deve fugir da angústia e sim enfrentá- la, tolerá-la, olhá-la nos olhos e decifrá-la. Em assim fazendo, o analisando integra em seu psiquismo impor tantes forças até então paralisadas e inoperantes, provocando com isso seu enriquecimento e crescimento internos.

topovoltar ao topovoltar à primeira páginatopo
 
 

     
Percurso é uma revista semestral de psicanálise, editada em São Paulo pelo Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae desde 1988.
 
Sociedade Civil Percurso
Tel: (11) 3081-4851
assinepercurso@uol.com.br
© Copyright 2011
Todos os direitos reservados