EDIÇÃO

 

TÍTULO DE ARTIGO


 

AUTOR


ÍNDICE TEMÁTICO 
45
Psicanálise: formação e instituições
ano XXIII - dezembro de 2010
232 páginas
capa: Fernanda Mendes Luiz
  



Fernanda Mendes Luiz.
Cathrédale ou tout simplement robe.
Papel rasgado, escrita à caneta e linha, 300 x 50 x 50 cm, 2009. 

Tel.: (11) 9455-0736 
Email: fernandamendesl@uol.com.br
capa: Fernanda Mendes Luiz

voltar ao acervo








EDITORIAL  
TEXTOS  
O autor examina aspectos formais da formação psicanalítica que fomentam ou inibem a criatividade no trabalho dos candidatos. Cita trinta características dos institutos psicanalíticos que inibem a criatividade dos candidatos em seu trabalho e que, indiretamente, lançam luz sobre problemas da formação psicanalítica que requerem nossa atenção. Tais características incluem o fazer, sistematicamente, mais lento o progresso institucional dos candidatos; o ensino repetitivo e inquestionável dos artigos mais importantes de Freud; tendências monolíticas quanto aos enfoques teóricos; isolamento dos candidatos em relação às atividades profissionais e científicas da Sociedade Psicanalítica; incremento das relações hieráticas entre os docentes de psicanálise; rituais de graduação; desestímulo de contribuições originais por parte dos candidatos; isolamento intelectual dos institutos; falta de apresentação de trabalhos clínicos pelos membros docentes de mais experiência; descuido do estudo das controvérsias relativas à técnica psicanalítica; características “paranoiagénicas” da relação entre docentes em relação aos requisitos exigidos aos candidatos; o sistema “convoy” (de super-proteção); descuido do estudo dos limites científicos e culturais e das aplicações da psicanálise e efeitos dos conflitos institucionais sobre a admissão de analistas em formação.
ABSTRACT
The author refers to thirty characteristics of psychoanalytic institutes that inhibit candidates’ creativity and, by implication, illustrate problems in psychoanalytic education that require our attention. These features include systematic slowing down of institutional progression of candidates, repetitive and unquestioning teaching of Freud’s papers, monolithic approaches of theory, discouragement of original contributions by candidates, intellectual isolation of institutes, lack of full presentation of their clinical work by senior members of the faculty, absence of interest in exploring the scientific and cultural boundaries and applications of psychoanalysis, and so on.
 
O artigo apresenta a posição de Balint sobre a questão da formação psicanalítica, especialmente como ela nos é trazida em um artigo de 1948. Preliminarmente, é oferecido um breve panorama da vida e da obra de Balint, a fim de situar histórica e criticamente seu estudo sobre o sistema psicanalítico de treinamento.
ABSTRACT
This paper presents Balint’s position on the question of psychoanalytic training, especially as it is brought in an article from 1948. Preliminarily, it is offered a brief overview of the Balint’s life and work, in order to contextualize historic and critically his study on psychoanalytic training system.
 
A maioria das psicanalistas que pertenceram à primeira geração de psicanalistas – aquela que é anterior à institucionalização centralizada da ipa, em 1925, portanto, num momento instituinte do movimento psicanalítico – foram esquecidas e reencontradas em seu pioneirismo e importância de sua obra ou prática apenas cinquenta anos depois, a partir dos anos 70 do século xx.
ABSTRACT
Many women psychoanalysts of the first generation share a similar fate: their contributions were forgotten and kept aside from the mainstream of psychoanalysis for several decades, and rediscovered only in recent years. The paper gives information on their lives and works, suggests some reasons for the silence that covered them until the mid-seventies, and for the growing interest of present-time researchers on what they have to say.
 
Ao contrário do que muitos pensam, a política atravessa a psicanálise, assim como todas as ações do sujeito. A política institucional e a política de formação determinaram importantes fraturas nas sociedades e grupos psicanalíticos; a política científica, por sua vez, promoveu diferenças de escolas e lutas ferrenhas pelo poder desde a época de Freud. As diferentes circunstâncias políticas da sociedade determinaram destinos históricos para a psicanálise. Hoje, a regulamentação é um tema eminentemente político e põe em risco o futuro da psicanálise. O projeto de regular o exercício da profissão é resultado de interesses econômicos de corporações e de disputas por dinheiro e poder.
ABSTRACT
In opposition to a widely-shared opinion, the author believes that politics is an essential part of psychoanalysis. A proof of this is that divergence over institutional and training policies have led to breakups in many psychoanalytical groups and societies and to bitter struggles about theoretical issues that ultimately serve as weapons in the quest for power. Beyond these aspects, which could be deemed internal to our area, politics in a broader sense also affect the position of psychoanalysis and their practitioners in the wider society. In Brazil, today, the future of psychoanalysis is currently at stake risk due to regulatory measures currently being under discussion in Congress. The project to regulate exercise of the profession is not only intrinsically political: it is also an expression of corporate economic interests and of financial concerns.
 
Este artigo procura discutir os conceitos de autoria e autorização no interior do campo da psicanálise, partindo da experiência da Comissão de Admissão do Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae e tendo como eixo os conceitos de transferência e ética psicanalítica. Avalia a competência do dispositivo “Comissão de Admissão” como analisador crítico da qualidade formativa de nossa instituição, bem como em sua capacidade para acompanhar o momento de passagem e afirmação daqueles que se propõem como psicanalistas de nossa associação, ato que supõe autoria no fazer psicanalítico.
ABSTRACT
Using as a base the experience of the Admission Comittee of the Department of Psychoanalysis of the Instituto Sedes Sapientiae and the concepts of transference and psychoanalytical ethics, this paper discusses the notions of authorship and authorization within the field of psychoanalysis. The authors assess the system of admission we adopted fifteen years ago as a critical analysator of the basic quality of our institution, as well as its capacity to evaluate the personal and professional qualities of candidates to membership in our association. Their paper also stresses the component of authorship in psychoanalytic action involved in the decision to apply.
 
As autoras deste texto participaram da primeira comissão que se abriu para pedidos de pertinência ao Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae. Nesse momento, os princípios institucionais tão seriamente defendidos ao longo de anos eram postos à prova. São esses embates, de uma instituição que sempre questionou os cânones fechados das instituições psicanalíticas, que são formulados e pensados neste depoimento, em que a questão de uma política institucional passa a ocupar primeiro plano.
ABSTRACT
The authors were members of the first Admission Committee of the Departament of Psychoanalysis of the Instituto Sedes Sapientiae. At that moment, institutional principles defended for years were being put to test. Their testimony recalls the proceedings of that inaugural committee, focusing on the efforts to maintain the consistence of a group that had always questioned the closed cannons of psychoanalytic institutions. The policies then established, they argue, have supported the test of experience, and contributed to foster the aims of our Department.
 
O texto sonda a necessidade de escrever e sua função: no processo de resolução de impasses subjetivos; na produção de teoria que esse processo pode desencadear; na escrita de uma estrutura escritora; na formação clínica e na atividade psicanalítica. Aborda o elo entre linguagem, constituição do sujeito e função paterna, detendo-se na palavra indizível e em seu poder criador.
ABSTRACT
This paper investigates the urge of writing and its function in solving subjective impasses, and the production of theory resulting from this process. The creation of a structure for the text, the impact of writing for psychoanalytic training and practice and the links between language, constitution of the subject and paternal function are also discussed, as well as what the author calls “the creative power of the ineffable word”.
 
É possível fazer psicanálise em instituição pública de saúde? Pode a análise operar num psiquismo gravemente comprometido num contexto de Unidade Básica? Este artigo tenta responder a essas e outras perguntas. Refere-se ao tratamento de um paciente portador de um psiquismo dilacerado que bateu em diversas portas institucionais, sem sucesso, e que, no tratamento psicanalítico, deixou a dependência de psicotrópicos e obteve a “cura” desejada. Este caso clínico foi apresentado no processo de admissão ao Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae.
ABSTRACT
Is it possible to practice psychoanalysis in a public health institution? Can psychoanalysis treat a heavy clinic case in an institutional context? This paper, presented as one of the requests to admission in the Department of Psychoanalysis of the Instituto Sedes Sapientiae, explores these questions. It deals with the treatment of a patient presenting a torn-up psyche; after unsuccessfully knocking at the gates of several institutions doors, he found in his analyisis a way to include himself in the world. The medicines he had taken for years became unnecessary, and he arrived to what may be called “psychical health”
 
Este artigo apresenta e discute o atendimento de uma criança de dez anos com paralisia cerebral. Nesse contexto, a discussão do caso, para além da complexidade transferencial implicada na clínica com crianças, levanta questões acerca dos entrelaces entre o orgânico e a constituição do sujeito.
ABSTRACT
This paper presents and discusses the therapy of a ten-yearold child affected with cerebral paralysis, raising questions about interfaces between the organic level and the the constititution of the subject.
 
O Estatuto da Criança e do Adolescente – eca, de 1990, disciplina as ações e instituições de defesa da criança e do adolescente, entre as quais o funcionamento de abrigos para crianças e adolescentes, vítimas das várias formas de violência e privados do convívio familiar. Caracteriza-se como medida provisória, não podendo ultrapassar o período de abrigamento em mais de dois anos. O atendimento clínico de Adriana revela sofrimentos e privações provocados por um abrigamento que durou dezesseis anos e meio. As características muito singulares do caso demandaram a adoção de novas condutas clínicas durante o processo de atendimento. Foram considerados referenciais teóricos em Michael Balint, André Green e D.W. Winnicott que ajudam na compreensão dos aspectos mais primitivos do desenvolvimento psíquico.
ABSTRACT
Brazil’s “Children and Adolescent’s Statute” of 1990 establishes guidelines for institutions involved in the care and protection of underage persons. Among these are public and private shelters for victims of various kinds of violence resulting in temporary removal from their families. Although the law stipulates that sheltering cannot exceed two years, in many cases this limit is not obeyed. The psychotherapy of Adriana reveals the suffering and deprivation caused by a sheltering period that lasted over sixteen years; the unique characteristics of this case required new clinical procedures, which the author presents in her paper. Her study is grounded on the views of Michael Balint, André Green and Donald Winnicott, which, she feels, provide deeper understanding of the most primitive aspects of the psychological development.
 
Este trabalho apresenta as vicissitudes de um processo analítico a partir de um caso fora dos moldes das neuroses de transferência, no universo das patologias alimentares. A autora sustenta a importância de um reposicionamento dos analistas frente aos desafios da clínica contemporânea. Apresenta características da economia psíquica exemplificadas nessa experiência clínica, mas que poderiam se estender para os casos em que o funcionamento oscila entre os extremos tudo/nada, que ela trabalhou como efeitos paradoxais.
ABSTRACT
This work discusses the difficulties of a case belonging to the group of alimentary pathologies. The author stresses the importance of reflecting about the problems faced by analysts who take up contemporary clinical challenges. She discusses the characteristics of psychic economy exemplified in this clinical experience, and argues that they are not limited to this kind of pathology: similar paradoxical effects can be elicited in cases floating between “all” and “nothing”
 
 


ENTREVISTA  
Nosso grupo iniciou este trabalho de forma diferente e surpreendente. Fomos procurados por colegas da Comissão de Admissão do nosso Departamento [2] com a sugestão de realizar uma entrevista sobre formação em psicanálise, destacando a questão da admissão de novos membros dentro de uma instituição de psicanalistas. A proposta de um reencontro com Radmila Zygouris, que havia sido entrevistada pela Percurso em 1995, nos pareceu muito feliz. No decorrer desses anos ela seguiu produzindo um pensamento vivo, atual e radical que interessa ser atualizado aos leitores de nossa revista.
 
DEBATE  
LEITURAS  
Resenha de Daniel Kupermann, Transferências cruzadas. Uma história da psicanálise e suas instituições, Rio de Janeiro, Revan, 1996, 254 p.
 
Resenha de David Calderoni, O silêncio à luz – ensaio para uma ciência do singular. Escritos psicopatológicos e estético-críticos sobre obras de Caetano Veloso, Chico Buarque, Eugène Minkowski, Guilherme Messas, Jean Bergeret, Oliver Sacks, Roberto Benini, Sigmund Freud. São Paulo, Via Lettera, 2006, 120 p.
 
Resenha de Françoise Dolto, A causa das crianças, São Paulo, Ideias & Letras, 2005, 399 p.
 
Resenha de Anna Maria M. da Costa, Clinicando. Escrita da clínica psicanalítica, Porto Alegre, Appoa, 2008, 204 p.
 
Resenha de Ana Maria Sigal, Escritos metapsicológicos e clínicos, São Paulo, Casa do Psicólogo, 2009, 462 p.
 
Resenha de Rogério Lerner e Maria Cristina Kupfer (orgs.), Psicanálise com crianças: clínica e pesquisa, São Paulo, Escuta, 2008, 235 p. Coleção Psicanálise e Infância.
 
Resenha de Ana Lúcia MacDowell Gonçalves, O pioneiro esquecido: Freud e as ciências cognitivas, São Paulo, Annablume, 2004, 130 p.
 
Resenha de Fátima Flórido Cesar, Asas presas no sótão: psicanálise dos casos intratáveis, Aparecida, sp, Ideias & Letras, 2009, 262 p.
 
Resenha de Chaim Samuel Katz, Complexo de Édipo, Freud e a multiplicidade edípica, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2009, 163 p.
 
Resenha de S. Alberti, W. Amendoeira, E. Lannes, A. Lopes, A. e E. Rocha (orgs.), Ofício do psicanalista: formação vs. regulamentação, São Paulo: Casa do Psicólogo, 2009, 197 p.
 
Resenha de Luciana Pires, Do silêncio ao eco. Autismo e clínica psicanalítica, São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, 2007, 120 p.
 
 
 

     
Percurso é uma revista semestral de psicanálise, editada em São Paulo pelo Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae desde 1988.
 
Sociedade Civil Percurso
Tel: (11) 3081-4851
assinepercurso@uol.com.br
© Copyright 2011
Todos os direitos reservados