EDIÇÃO

 

TÍTULO DE ARTIGO


 

AUTOR


ÍNDICE TEMÁTICO 
47
Ficções em Psicanálise
ano XXIII - Dezembro 2011
182 páginas
capa: Malu Pessoa
  



Malu Pessoa

Vasos Comunicantes

Foto digital impressa sobre papel de arroz banhado em cera de abelha, 200 x 280 cm, 1986

www.malupessoa@hotmail.com

capa: Malu Pessoa

voltar ao acervo








TEXTOS  
Este texto apresenta os momentos fortes de um tratamento: a do paciente Henri, cuja organização perversa se construiu como uma proteção contra a psicose. O mecanismo dissociativo, reconhecível neste trabalho, permitiu-lhe, num primeiro tempo, isolar o universo traumático no qual viveu, onde a sexualidade e a violência são indissociáveis. As cenas de grandes excitações que lhe foram infligidas precocemente inscrevem marcas que se mantêm em estado selvagem dada a carência de representações verbais tranquilizantes. Com a diminuição progressiva da dissociação, Henri descobrirá pouco a pouco o caráter totalitário e alienante do domínio materno, que lhe impõe o segredo como uma forma de contrato íntimo. Quem é ele, se deixa de ser aquele que é tudo para sua mãe? Seria presunçoso afirmar que Henri aceita hoje plenamente a ideia de uma versão paterna do mundo na qual ele poderia se reconhecer. O que é certo: o terreno da transferência lhe permitiu instalar um terceiro espaço no qual ele não se sente mais indispensável à sua mãe. Por outro lado, sua paternidade reforça uma conexão através das gerações e integra cenas perversas até então dissociadas.
ABSTRACT
This paper presents the highlights of a treatment: patient Henri, whose perverse organization was built as a protection against psychosis. The dissociative mechanism, recognizable in this work allowed him, as a first step, isolating the traumatic universe in which he lived, where sexuality and violence are inseparable. The scenes of large excitations which were inflicted early fall marks that remain in the wild due to the lack of verbal representations tranquilizers. With the gradual reduction of decoupling, Henri discover little by little the totalitarian character of the area and alienating mother, which imposes secrecy as a form of contract intimate. Who he is, is no longer one that is everything to her mother? It would be presumptuous to claim that Henri now fully accepts the idea of ​​a paternal version of the world in which he could be recognized. What is certain: the land transfer allowed him to install a third space in which he no longer feels necessary for their mother. Moreover, his paternity reinforces a connection across generations and perverse scenes integrates hitherto separated.
 
Situando a visita de Conrad Stein ao Sedes (1988) no contexto da época em que ocorreu, o autor delineia os processos mais amplos nos quais ela se inscreve, examina a influência do seu professor sobre alguns escritos de analistas brasileiros, e sugere alguns motivos para o ler na atualidade.
ABSTRACT
Situating the visit to the Headquarters of Conrad Stein (1988) in the context of the era in which it occurred, the author outlines the broader processes in which it is inscribed, examines the influence of his teacher's writings on some Brazilian analysts, and suggests some reasons for read it today.
 
Este trabalho busca discutir a noção de realidade em uma situação de trabalho de grupo e a tensão constante e inevitável entre a busca da verdade e a busca de sentido, quando se tem em vista, por exemplo, um grupo de formação. Nem ilusão pura, nem realidade positivamente determinada, a condição de um grupo enquanto tal se dá pela paradoxal condição de uma realidade imaginariamente determinada.
ABSTRACT
This paper discusses the notion of reality in a situation of group work and constant and unavoidable tension between the search for truth and the search for meaning, when you have a view, for example, a group of training. Neither pure illusion, not reality positively determined, the condition of a group as such is by a paradoxical condition reality imaginatively determined.
 
O artigo apresenta a Rede de Atendimento Psicanalítico, problematiza seu funcionamento e discute a questão da grupalidade, da ética e da montagem de redes de trabalho na formação do psicanalista. Partindo de uma breve retomada da história da psicanálise e de suas formações grupais, e de certas maneiras de conceber a grupalidade, os autores situam a Rede em um projeto ético-político de formação continuada do psicanalista.
ABSTRACT
The article presents the Psychoanalytic Service Network, discusses his operation and discusses the groupality, ethics and assembly of networks in the formation of the psychoanalyst. Starting with a brief resume of the history of psychoanalysis and its group formations, and certain ways of conceiving groupality, the authors place the network in an ethical, political psychoanalyst's continuing education.
 
O trabalho expõe a função aferente do sonho, por meio da qual as impressões diurnas que permaneceram em latência são perlaboradas e podem completar o processo de inscrição. Essa função difere da função “deferente” do sonho, bastante conhecida, que é a da expressão do inconsciente recalcado. Embora sejam complementares e simultâneas, as duas funções ocorrem em sentido oposto na tópica psíquica. Para consolidar a ideia proposta, aborda-se a natureza enigmática dos restos diurnos como situações complexas que pedem inscrição, e que merecem ser melhor examinadas pela metapsicologia.
ABSTRACT
The work exposes the function of afferent dream, through which the impressions that remained in daytime are perlaboradas latency and can complete the enrollment process. This function differs from function "respectful" of the dream, well known, which is the expression of repressed unconscious. Although complementary and simultaneous, the two functions occur in the opposite direction in topical psychic. To consolidate the idea proposal addresses the enigmatic nature of the remains as daytime complex situations that require registration, and which deserve to be better examined by metapsychology.
 
O trabalho problematiza a relevância clínica de se identificar, na criança, a prevalência de uma estrutura. Apontamos um impasse no diagnóstico psicanalítico com crianças, a saber: o fato de a criança não ter, ainda, se decidido sobre o seu modo de negar o Nome-do-pai. Vislumbramos o ensino topológico de Lacan como aquele que possibilita um direcionamento do tratamento sem a dependência do enquadramento estrutural.
ABSTRACT
The paper discusses the clinical relevance of identifying, in children, the prevalence of a structure. We point out a stalemate in psychoanalytic diagnosis with children, namely: that the child does not have, even if decided on your way to deny the Name of the Father. We see the teaching of topological Lacan as one that allows a treatment course without dependence on structural framing.
 
O estudo de Freud sobre Leonardo completou cem anos. Tal estudo possui para os psicanalistas um interesse teórico endógeno, tal como possuía para Freud valor transferencial. À parte isso, indagaremos aqui pelas virtudes biográficas do texto. Procuraremos mostrar que a psicanálise contribuiu para a compreensão biográfica de Leonardo por dispor de um modo singular de conceber a constituição subjetiva.
ABSTRACT
Freud's study of Leonardo completed hundred years. This study has for psychoanalysts endogenous theoretical interest, as Freud had to value transference. Apart from that, indagaremos here by virtue of biographical text. We will seek to show that psychoanalysis has contributed to the understanding of biographical Leonardo for having a unique way of conceiving the subjective constitution.
 
Este artigo parte da literatura à psicanálise e realiza uma leitura da obra do escritor paulista Raduan Nassar, sobretudo do romance Lavoura arcaica e da novela Um copo de cólera. O recurso então é a uma psicanálise implicada, considerada em sua ficcionalidade.
ABSTRACT
The paper offers a psychoanalytic reading of Nassar’s novels Lavoura arcaica (Archaic tillage) and Um copo de cólera (A glass of wrath). The author proposes to change “applied Psychoanalysis” into “implied Psychoanalysis”.
 
Parto da hipótese de que a ausência de obra, conceito usado para situar o lugar destinado à loucura após ter sido transformada em doença mental, expandiu-se para todos os campos da existência na contemporaneidade, movimento análogo ao que ocorre no campo das artes visuais ao longo desse mesmo período em que uma obra de arte pode ser excluída para o campo da não arte, para me perguntar sobre a obra – e, por consequência, a subjetividade – possível em tempos de sua ausência. Apresento, então, em dois artigos subsequentes, e a partir das indicações oferecidas pelos trabalhos das artistas Nazareth Pacheco, Cindy Sherman e Marina Abramovic, o corpo e o feminino como alguns desses lugares de borda nos quais ainda podemos encontrar uma possibilidade de fazer obra, ou seja, de subjetivação.
ABSTRACT
Abstract The idea of “absence of work” comes from modern humanistic Psychiatry. The author applies it to visual arts, because in them the “work of art” can be excluded from the field of art. In such conditions, what happens to subjectivity? This paper is the first of a two-part series where Monachesi examines works by artists Nazareth Pacheco, Cindy Sherman and Marina Abramovic. For her, the body and the feminine are “places” where it is still possible “to do work”, or, in other words, to become a subject.
 
 


ENTREVISTA  
DEBATE  
LEITURAS  
Resenha de Hendrika C. Freud, Electra vs Oedipus, the drama of the mother-daughter relationship. New York, Routledge, 2011. 197 p.
 
Resenha de Heitor O’Dwyer de Macedo, Cartas a uma jovem psicanalista. São Paulo, Perspectiva, 2011. 321 p.
 
Resenha de Lucila de Jesus Mello Gonçalves, Na fronteira – das relações de cuidado
em saúde indígena. São Paulo, Annablume/FAPESP, 2011. 123 p.
 
Resenha de Alcimar Alves de Souza Lima, Acontecimento e linguagem. São Paulo, Casa do Psicólogo, 2010. 217 p.
 
Resenha de Fernando José Barbosa Rocha, Entrevistas Preliminares em Psicanálise.
São Paulo, Casa do Psicólogo, 2011. 219 p.
 
Resenha de Renato Mezan, Intervenções. São Paulo, Casa do Psicólogo, 2011. 323 p.
 
Resenha de Denise Costa Hausen,
Cinema e Psicanálise: o conceito
de castração em transversal. Porto Alegre, Movimento, 2011. 246 p.
 
 
 

     
Percurso é uma revista semestral de psicanálise, editada em São Paulo pelo Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae desde 1988.
 
Sociedade Civil Percurso
Tel: (11) 3081-4851
assinepercurso@uol.com.br
© Copyright 2011
Todos os direitos reservados